Hanny Guimarães – O que eu Aprendi Cozinhando

Por Equipe Dedo de Moça

Convidamos a talentosa Hanny Guimarães {esse é o link do insta dela!}que tem um dos pães mais gostosos da cidade, para contar como a cozinha mudou sua vida. Ela é jornalista, mas a paixão pelos pães a fez abandonar as redações e se dedicar a essa paixão! E de quebra ainda é mulher do Roberto Seba, um super fotógrafo de gastronomia, que a gente adora! Uma entrevista deliciosa.

– Como a cozinha entrou na sua vida?
Acredito que foi da maneira mais comum, do jeito que na maioria das vezes acontece com quem gosta de cozinhar. A referência veio primeiro da família. As lembranças que tenho de casa sempre envolvem comida. A molecada na cozinha, cercando vó e mãe para ganhar um pedacinho de peixe frito antes de ir para o prato… Esse tipo de coisa. Crescer no litoral – sou de Vila Velha/ES – foi algo muito bom. Meu tio pescava, então sempre tínhamos peixes e frutos do mar frescos na mesa.
– Qual a sua maior inspiração para cozinhar?
Puxa, difícil dizer. Mas acredito que o prazer de comer, os momentos que envolvem a comida, as diferentes culturas que conhecemos por meio da comida, a experiência de descobrir ingredientes diferentes, de saber que existem dezenas de tipos de batatas, maçãs, trigos… E que cada um tem um sabor distinto, um uso diferente. De saber que o alimento e que o ato de cozinhar tem grande importância na nossa história. Talvez tudo isso seja inspiração.
– Quais foram os principais aprendizados que a cozinha te trouxe? O que você ganhou com esse dom?
Sou jornalista de formação. Escrevi muito tempo sobre comida para revistas de gastronomia e sempre fui atrás das respostas. Hoje faço pão como profissão e isso tem me mostrado que talvez as respostas podem ser diferentes, dependendo do dia, do clima, da técnica aplicada, da química da água, dos ingredientes disponíveis… Cada coisa conta. A natureza conta. O processo conta. Paciência, prática e repetição – alterando uma coisa de cada vez -, também são coisas que tenho aprendido.
– Por que escolheu os pães?
Moramos (eu e meu marido) um tempo na Austrália e foi lá que tive uma referência mais legal de bons pães, sobre a cultura de sourdough. Todos os dias íamos tomar café da manhã nas cafeterias de lá e havia sempre uma torrada de um bom pão, manteiga e ovo pochê. Quando voltamos para o Brasil senti falta do sabor desses pães e resolvi tentar fazer. Aos poucos foram saindo pães melhores, fui fazendo mais do que conseguíamos consumir, dava para os amigos, mas para começar a sustentar a prática passei a vendê-los. Assim tem sido desde então.

* quem quiser experimentar os pães {de fermentação natural} é só enviar email: hannygb@gmail.com

Salvar

Avalie o post